It was all the way back in 1998



7.300 - Continuamos girando, sempre no mesmo ritmo. Soa grave, soa confuso, gratificante. Não é o mesmo de antes e não será a mesma coisa daqui um bom tempo. Confuso. Agressivo. Machuca. Você caminha, eu caminho, caminhos diferentes e paralelos, distantes e sincronizados. Grandes enquanto pequenos. Não é nossa última música.

6.935 - Descobertas, o mundo pode ser tão lindo e tão feio ao mesmo tempo, mas olha só. Eu não estou sozinho nessa. A melodia e perfeita e desastrosa. O ritmo perfeito pro momento errado. A melodia certa pra voz certa, o mundo completo e sem platéia.

6.570 - Grandes passos. Certo dia a frase “é assustador” foi dita, no futuro desmentida. Ganhou um novo significado. Laços são criados na intenção de serem destruídos, reconstruídos. Temos um invisível.

6.205 - Eles dizem que os bons morrem jovens, pense nisso. Mude tudo, transforme. Quem costumávamos ser, quem nós somos, quem iremos nos tornar. Não gostaria de responder a nenhuma dessas questões. Frágil, necessário, construtivo.

5.840 - Destino, ou não. Talvez um improviso da vida, linhas tortas não precisam de esquadro, elas precisam ser tortas. Não pegue o seu lápis. Aceite. Seja você, nós vamos crescer tanto. Vai ser assustador, vai ser muito bom. E sempre, sempre, vai dar tudo certo.

(Não precisamos achar o X da equação, a vida não está em formulas, não está em livros. As nuvens não dependem do sol e nem o homem da gravidade. o sol não é quente e a grama não é verde. E mesmo assim tudo continua bonito).

Photo by indah nur on Unsplash